GRAPHIA_cheiro-gde.jpg

LITERATURA brasileira

O CHEIRO DE COISA VIVA

Entrevistas, reflexões dispersas e um romance inédito: O Estadista

DYONELIO MACHADO

Confissões do autor de Os Ratos, suas ideias sobre literatura e política e um romance inédito sobre corrupção no Brasil.


Através de um conjunto de textos reflexivos e autobiográficos, a começar por um grande painel de declarações feitas por ele a jornalistas e pesquisadores universitários, O Cheiro de Coisa Viva reconstitui a trajetória de Dyonelio Machado, que purgou dois anos de prisão por suas convicções marxistas, entre 1935 e 1937, e, depois de revolucionar a ficção brasileira na década de 30 com o romance urbano Os Ratos, chegou a passar, em plena maturidade, vinte anos sem publicar nem ver reedições do que escreveu. O volume traz ainda o romance inédito O Estadista, escrito em 1926 e descoberto postumamente, que comprova, já no próprio enredo, a contemporaneidade de Dyonelio, um ficcionista dedicado, como se autodefine, a filtrar o drama no que há de mais trivial: o romance narra a história de um arrivista num cenário de corrupção política.


FICHA TÉCNICA
O CHEIRO DE COISA VIVA - Entrevistas, reflexões dispersas e um romance inédito: O Estadista
Dyonélio Machado
Introdução, seleção e notas: Maria Zenilda Grawunder
Ficção brasileira - biografia
Série Revisões, 9
14cm X 21cm
300 páginas - R$60,00
ISBN: 85-85277-13-0