GRAPHIA_negro-gde1.jpg

antropologia e ciências sociais

O negro brasileiro

arthur ramos

Uma das obras fundadoras da pesquisa antropológica no Brasil, identifica em suas raízes as diferentes contribuições africanas à cultura brasileira e reconstitui, com base em sistemático trabalho de campo, feito na Bahia, no Rio e em Alagoas, as várias formas de expressão religiosa de origem negra.


O  Negro Brasileiro integra o conjunto de obras ensaísticas que tornaram decisivos os anos 30 na consolidação da cultura brasileira moderna, com as contribuições iniciais de Caio Prado Júnior, Gilberto Freyre, Luís da Câmara Cascudo, Nelson Werneck Sodré, Sérgio Buarque de Holanda, entre tantos outros.

É obra em muitos sentidos pioneira. Pelo uso sistemático da pesquisa de campo. Pela utilização da Psicanálise no estudo da cultura. E, sobretudo, pelas mudanças doutrinárias e metodológicas no tratamento da questão.

Publicada pela primeira vez em 1934, precede O Folclore Negro do Brasil, de 1935, e As Culturas Negras no Novo Mundo, de 1937, os três volumes iniciais, de leitura autônoma, da série projetada pelo autor sobre o tema do negro no Brasil. 

No final daquela década, ao fazer um balanço do que até então se tinha produzido no campo dos estudos afro-brasileiros, Roger Bastide observava: "Enquanto que para Gilberto Freyre, o importante para compreender o negro é considerá-lo no seio da família patriarcal, de que é um dos elementos constituintes, para Arthur Ramos a escravidão tem apenas um papel destrutivo; separando o negro de sua tribo de origem para misturá-lo, dentro da mesma plantação ou do mesmo engenho, com outros negros de outras tribos, produziu o fenômeno da desculturação, antes de tornar possível a criação de sínteses novas, em que se misturam componentes bantos, nagôs, árabes..." 

De fato, Arthur Ramos julga indispensável, do ponto de vista antropológico, distinguir as várias culturas negras introduzidas no Brasil, em especial as de origem sudanesa e banto, e só depois aprofundar o exame dos fenômenos de aculturação e sincretismo. 

Esta primeira diferença de métodos entre os dois intérpretes da cultura brasileira sugere, por si só, os avanços de ambas as abordagens numa época em que as interpretações baseadas na inferioridade racial ainda eram prescritas por muitos, revigoradas pelo arianismo nazista.


FICHA TÉCNICA
O NEGRO BRASILEIRO
Arthur Ramos
Brasil - Antropologia
376 páginas - R$71,00
ISBN: 85-85277-33-5